E-BIKES PÚBLICAS: UMA QUESTÃO DE TEMPO

Tem gente que gosta de andar, outros preferem pedalar. Ambas as escolhas levam a saúde, mas a segundo pode economizar um pouco do seu escasso tempo. Suar pode não estar muito nos seus planos. E se a cidade tiver subidas mais íngremes, ou mesmo ladeiras de baixa inclinação, pode ser que esse obstáculo se torne a justificativa perfeita para não usar a bike como alternativa.
As bicicletas elétricas vieram para dar fim a essas desculpas. E vão ocupar um lugar muito importante num futuro mais próximo do que você imagina.
Estou nesse momento testando o sistema suíço da PubliBike. O aspecto mais importante nesse tipo de opção é o controle e a capacidade de seus novos usuários em usar um meio de transporte novo, que pode muito bem ser considerado com uma motocicleta.
Isso reduz o número de usuários, logo de cara. Mas não se iluda, porque a juventude é rápida em ciclos de mudança. Não serão as bicicletas sem motor as de domínio público. Essas ficarão confinadas aos aficcionados e atletas. A maioria vai usar as com apoio ao pedal. E isso é bem mais realístico para as situações cotidianas típicas.
A Revolução está só começando e Lausanne já tem o Dia Nacional da Bicicleta. A Cidade vive.